Apoio Domiciliário

Tem sido uma preocupação dominante por parte dos Párocos e da comunidade paroquial a situação de uma parte significativa da comunidade paroquial, onde avulta a da 3ª idade.

É conhecido o facto de neste estado etário muitas pessoas viverem isoladas, em muitos casos sem terem a possibilidade de se bastarem a si mesmas quanto à satisfação das suas necessidades primárias, quer a nível económico, quer a nível da autonomia pessoal.

Foi com o desejo de mitigar estas situações que em Outubro de 1991 se deu início ao serviço do Apoio Domiciliário, na Paróquia, cabendo a concretização dessa actividade ao Centro Social Paroquial.

Para levar a cabo esta tarefa, esta iniciou-se com a assistência a 10 idosos, tendo no ano seguinte (1992) aumentado para 40.

Este serviço era garantido por 3 funcionárias a tempo inteiro, com a deslocação aos domicílios dos utentes com a finalidade de lhes levarem refeições e de lhes fazerem a higiene pessoal, limpeza da casa, tratamento de roupas e outros trabalhos afins.

Sublinha-se que este trabalho funcionou nestes moldes durante 2 anos, garantindo integralmente pelo apoio das dádivas dos paroquianos, por não existir qualquer apoio do Estado, até que, em Abril de 1993 foi possível estabelecer um Acordo de Cooperação entre o Centro Social e a Segurança Social, tendo ficado estabelecido um apoio a 40 pessoas. Este apoio foi alargado a 60 pessoas, em Dezembro de 1997. Presentemente, este apoio mantém-se, subsidiado com o mesmo número de utentes mas, na realidade, o Centro Social Paroquial, não deixa de atender a outras pessoas necessitadas, fora do Acordo.

O funcionamento é garantido com 9 funcionários, 6 ajudantes na acção directa (no domicílio), 2 ajudantes na cozinha e 1 motorista.

A partir do mês de Agosto de 2013, este Serviço passou a ser garantido também no Verão.

O Apoio Domiciliário funciona em instalações próprias, para o efeito alugadas, situadas no número 6 do Adro da Igreja, para as quais, por força da imposição do Acordo de Cooperação com a Segurança Social, nos vimos obrigados a possuir o necessário ‘Alvará de Utilização’.

Este facto originou que o Centro Social Paroquial teve necessidade de contratar técnicos habilitados, para dar cumprimento aos respectivos Projectos de Arquitectura e Engenharia de Especialidades, submetendo-os à análise e aprovação da Câmara Municipal de Lisboa, a que se seguiram as consequentes obras de construção civil.

Estas acções, iniciadas em 2011, culminaram com a obtenção do necessário ‘Alvará de Utilização’ em 25 de Novembro de 2013, o que permitiu, com a legalização das instalações, a continuidade com o Acordo com a Segurança Social.

Top